Diamonologias

Calou-se, poeta?
Nada resta, pois resto é nada.
“Não me calarão”, tu mesmo o fará? É isso e basta?
Qu’é o bastante? Em termos humanos? Acabam-se as festas, depois das valsas.
Não é de se lamentar a prematuridade?
E agora não te parece tarde demais?

e desde quando há tempo, hum?

Publicidade
Published in: Sem categoria on sábado, 27 janeiro, 2018 at 3:11  Deixe um comentário